Perguntas sobre Psiquiatria da Infância e Adolescência

Criança de 2 anos hiperativa o que se faz? - 15/03/2015

Existe um transtorno que se chama transtorno de hiperatividade-déficit de atenção (TDAH), presente em 1 a 7 por cento das crianças. (Dependendo de como se faz o diagnóstico, ele é encontrado com frequência maior ou menor.) Neste tipo de transtorno, algumas crianças possuem uma predominância da hiperatividade, outras da desatenção. A hiperatividade tem as seguintes características: - ficar o tempo inteiro se remexendo, quando sentada; - falar demais; - correr de um lado para o outro, tocar em tudo, brincar com todos os objetos em volta; - dificuldades de manter-se sentado durante as refeições, na escola, ao fazer as lições de casa ou ao ouvir historinhas que lhe são contadas; - estar sempre em movimento; - dificuldade para realizar tarefas ou atividades que exijam que a criança fique quieta. A hiperatividade é apenas um conjunto de sintomas. Na prática, isto significa que nem todas as crianças com comportamentos hiperativos têm TDAH. Em primeiro lugar, os sintomas devem estar presentes em muitas situações e contextos, durante pelo menos seis meses. Em segundo lugar, a criança hiperativa precisa ser mais ativa que a maioria das crianças de sua idade, para poder se pensar num TDAH. Também é muito importante levar em conta os contextos. Técnicas educacionais falhas e ambientes impróprios podem desencadear comportamentos hiperativos mesmo em crianças sem TDAH. Deve-se levar a criança para ser avaliada por um psiquiatra e, apesar de que, quando o diagnóstico de TDAH for confirmado, algumas medicações serem úteis no tratamento, não esperar que haja alguma solução mágica e rápida: na maioria dos casos de TDAH há uma necessidade de ensinar a família a lidar com a criança pois, frequentemente, a família tem tanto ou mais poder de influenciar o comportamento quanto os remédios. E isto é um processo demorado.

- 01/05/2015
Obrigado
1
0 especialistas concordaram
Ivan Mario Braun
Psicoterapia
Psiquiatria
495
25
934
Ver as 2 respostas
Tenho uma filha de 2 anos que é extremamente agitada, não para um segundo e não atende quando os pais falam ou qualquer outra pessoa. Só pára quando o cansaço vem e dorme. Não estamos conseguindo lidar com essa agitação que ela tem. - 15/03/2015

Parece um quadro de hiperatividade, procure um psiquiatra e um psicólogo especializados na infância.

- 27/12/2015
Obrigado
0
0 especialistas concordaram
Marcelo Marui Biondo
Psiquiatria
Psiquiatria da Infância e Adolescência
655
19
68
Ver as 2 respostas
Pergunto qual o melhor caminho a seguir ou qual especialidade procurar no caso de uma adolescente de 17 anos que está com episódios de bulimia. Come regularmente durante a semana e aos finais de semana come muito, passando mal. Ela quer ajuda. - 26/02/2015

Comer muito aos fins de semana não significa, necessariamente, que a pessoa tem bulimia. Pessoas com bulimia apresentam outras características de comportamento, tais como comer muito num espaço de tempo muito curto (por exemplo, 2 horas) durante os episódios; ter sentimentos de culpa após a ingestão, sentir-se desconfortavelmente "cheio" após o episódio; ter vergonha de comer na frente dos outros em função da quantidade de comida ingerida; comer sem fome.

 

A adolescente precisaria de uma avaliação psiquiátrica para verificar se existe um quadro de bulimia nervosa e se existem componentes depressivos ou ansiosos que requeiram tratamento.

 

Finalmente, mesmo que não se trate de bulimia, propriamente dita, ela precisaria de uma reeducação alimentar.

- 28/03/2015
Obrigado
0
0 especialistas concordaram
Ivan Mario Braun
Psicoterapia
Psiquiatria
495
25
934
Ver as 4 respostas
Gostaria de saber se déficit de atenção está relacionado a depressão. - 22/01/2015

Apesar de serem problemas diferentes, pessoas com transtorno de déficit de atenção (TDA) têm depressão com frequência maior.

 

Além disso, se você pensar na função da atenção, independente do TDA, ela pode estar prejudicada quando a pessoa estiver deprimida.

 

No caso do TDA, ambos os problemas devem ser tratados e as medicações usadas para o TDA podem melhorar a depressão. Inclusive, uma delas, a atomoxetina, é um antidepressivo.

 

Se o problema de atenção for decorrente da depressão, então o tratamento da depressão provavelmente resolverá a questão, sem necessidade de tratamento adicional.

- 05/02/2015
Obrigado
0
0 especialistas concordaram
Ivan Mario Braun
Psicoterapia
Psiquiatria
495
25
934
Ver as 3 respostas
Primeira - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria da Infância e Adolescência?

Pergunte diretamente a um especialista

Atenção: as informações contidas nesta página não visam substituir as orientações do seu médico. Sua pergunta será encaminhada aos especialistas do catalogo.med.br, não sendo obrigatoriamente respondida pelos profissionais listados acima.
Login Centralx
Localização